Encontros Amigos e Violas

Roda de Viola com alunos, amigos e simpatizantes da viola caipira. Realizado quinzenalmente as sextas-feiras gratuitamente,
a partir das 19h (informe-se das datas pelos fones 11-2950-0792 / 11-9-9193-9866 / 11-9-9823-1110) das 19h00min às 22h00min.
Traga a sua viola e faça parte! Entrada Franca. Comes e bebes são vendidos à parte.


Obs.: As datas poderão sofrer alterações, entre em contato conosco para confirmação.



1º Rodízio de Brigadeiros da Big Bit


Data:
10.03.18
Horário: Evento: 14h às 22h e o Rodízio: 16h às 20h.

Local: Rancho dos Matutos
Endereço: Rua Dr. Zuquim, 80 - Santana - São Paulo/SP. Pertinho da Estação Santana do Metrô.
Informações: fabiolamirella@gmail.com / violeiropenna@yahoo.com.br 
Fones: 11-2950-0792 / 99193-9866 / 99823-1110

O Evento:

Quem gosta de sobremesa no final de semana? É isso mesmo! Brigadeiro no final de semana e de quebra ainda tem música ao vivo! :
- Serão nada menos que 13 sabores incríveis de brigadeiros!
- Lançamento de novos sabores Big Bite
- Música ao vivo: Moda de Viola, MPB/POP, anos 80/90
- Artesanato

Valor do Rodízio:

0-6 anos: R$0,00
6-10 anos: R$12.50 (meia entrada)
Adultos: R$25,00
O ingresso dá direito a comer brigadeiros à vontade, por 4 horas!

Como garantir sua vaga?

As vagas são limitadas e devem ser pagas por meio de depósito antecipado e envio do comprovante.

Dados para pagamento:

Banco Bradesco
Agência: 942
Conta Corrente: 4870-4
Aécio Leonardo da Paz Mola
CNPJ: 13.822.476/0001-50

** ATENÇÃO **

Não é possível reservar os ingressos sem efetuar o depósito!


 

Palestra Música Caipira Cultura, Resistência e Enraizamento com Ivan Vilela


Data:
17.03.18
Horário: das 19 às 21h30min.

Local: Rancho dos Matutos
Endereço: Rua Dr. Zuquim, 80 - Santana - São Paulo/SP. Pertinho da Estação Santana do Metrô.
Informações: fabiolamirella@gmail.com / violeiropenna@yahoo.com.br 
Fones: 11-2950-0792 / 99193-9866 / 99823-1110

O Evento:

O título e uma descrição.
A partir da contextualização histórica e cultural, e de farta audição musical, pretendesse entender a relevância e o lugar ocupados pela produção musical dos caipiras que, a despeito de ter sido o terceiro maior filão de vendas do mercado brasileiro, nunca foi entendido como parte da música popular brasileira.
A - Origens e história
B - 1929 A música dos caipiras no disco - As primeiras gravações - As três fases
C - Pausa para a viola
D - Novos tempos - o caipira hoje

Objetivos do Curso:

A cultura caipira nunca foi bem recebida como a cultura de formação do povo do Centro-Sudeste brasileiro, ficando sempre relegada às pessoas simples, iletradas e de baixa renda. Com suas bases culturais fundadas no processo de colonização de São Paulo e na atuação catequética dos Jesuítas, esta cultura se espalhou numa vasta região que foi chamada por Alfredo Ellis Jr. e depois por Antonio Candido de Paulistânia (região esta que compreende os estados de SP, GO, MS e as regiões Norte do PR, Triângulo Mineiro e Sul de MG, partes de MT e TO. Curiosamente no polígono onde a chamada música caipira foi consumida em larga escala. Embora muito estudada pela sociologia rural e pela antropologia, a música caipira não recebeu uma leitura de seus atributos musicais. Teve seus atributos depreciados por uma ideologia de modernização do país calcada no positivismo republicano brasileiro. Através do registro em disco de suas músicas o caipira tornou-se o único camponês brasileiro a ter sua história conhecida por todos; visto que a nossa história registrada oficialmente foi a história dos reis, dos presidentes, dos administradores, da elite, dos vencedores dentro de uma ordem capitalista onde o pequeno camponês sempre foi um alijado das benesses e conquistas deste sistema.

Um currículo resumido e atualizado

Ivan Vilela é músico, pesquisador e professor da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, onde leciona História da Música Popular Brasileira, Viola Brasileira, Rítmica e Percepção Musical. É doutor em Psicologia Social pela USP e Mestre em Composição Musical pela UNICAMP. Com seus trabalhos de composição e interpretação foi indicado a importantes prêmios da música brasileira. Com seu instrumento, a viola, atua como solista e junto a grupos de câmara e orquestras no Brasil e no exterior..

Valor:
R$ 20,00 por pessoa

Vagas: 50 vagas

Como garantir sua vaga?
As vagas são limitadas e devem ser pagas por meio de depósito antecipado e envio do comprovante.


** ATENÇÃO **
Não é possível reservar os ingressos sem efetuar o depósito!

Aceitamos Vários Cartões de Crédito e Débito.


 

Entre Elas: Do Raíz ao Modão


Data:
24.03.18
Horário: a partir das 19h.

Local: Rancho dos Matutos
Endereço: Rua Dr. Zuquim, 80 - Santana - São Paulo/SP. Pertinho da Estação Santana do Metrô.
Informações: fabiolamirella@gmail.com / violeiropenna@yahoo.com.br 
Fones: 11-2950-0792 / 99193-9866 / 99823-1110


O Evento: O espetáculo, idealizado por Laura Rocha (da dupla Leyde & Laura) e Simone Sperança, tem como objetivo proporcionar um resgate histórico da atuação feminina no sertanejo feminino entre as décadas de 1940 a 1990. Ícones como Irmãs Freitas, Inezita Barroso, Nalva Aguiar, As Galvão, Roberta Miranda, entre outras, representadas por grandes nomes do sertanejo atual. Serão seis convidadas especiais em cada espetáculo, entre duplas e cantoras solo, interpretando os maiores sucessos das homenageadas.

O empoderamento feminino no sertanejo, tão exaltado e valorizado na atualidade, na verdade tem raízes profundas. A partir da década de 1940, apesar do preconceito que sempre foi comum no meio sertanejo, a presença feminina passou a ser constante no cenário musical. As primeiras mulheres a quebrarem barreiras e gravarem um disco, em 78 rotações, foram as Irmãs Castro, em 1944. No ano seguinte, lançaram seu maior sucesso, o dueto mais que perfeito em "Beijinho Doce", composição de Nhô Pai, um dos grandes incentivadores de sua carreira. As portas de rádios como Tupi, Globo, Mayrink Veiga, Bandeirantes e Cultura se abriram ao talento das intérpretes, iniciando um novo capítulo na história da música sertaneja.

Alguns anos mais tarde, na virada da década de 1950, um nome importante surgia no cenário musical brasileiro: Inezita Barroso. A paulistana, que ficou conhecida como "A Rainha do Folclore", se tornou uma das maiores defensoras da chamada genuína música sertaneja. Além de uma extensa discografia, com mais de 60 álbuns, Inezita também foi destaque no cinema e apresentou o tradicional Programa "Viola Minha Viola", da TV Cultura de São Paulo, durante 34 anos. As Galvão, outro nome importante no gênero, surgiram na mesma década, no início como Irmãs Galvão. Com talento e irreverência, levariam a participação feminina no sertanejo a um novo patamar nas décadas seguintes. Colecionadoras de prêmios, as irmãs que chegaram a ser indicadas ao Grammy Latino, estão na ativa e completaram recentemente 70 anos de trajetória.

Com o sucesso das pioneiras, verdadeiras guerreiras do cancioneiro rural, com o passar do tempo foram surgindo destaques que escreveram seus nomes no mais alto degrau do gênero, casos de Irmãs Freitas, Nalva Aguiar, Jayne, Carmem Silva, Roberta Miranda e Leyde & Laura, entre tantas outras. Cada uma com um estilo próprio e marcante, as divas vieram para ficar. Enquanto Roberta se destacava como intérprete e compositora, Leyde & Laura se transformavam na dupla feminina que mais gravou modas de viola.

Valorizar a contribuição das mulheres na cultura sertaneja, e da música brasileira como um todo, é trazer à luz da sociedade a força, coragem, talento e a mais pura expressão da arte, afim de mantermos viva uma página importante da memória de nosso país.

O Espetáculo: O repertório será composto por canções marcantes de intérpretes ou duplas femininas de grande expressão entre as décadas de 1940 e 1990, em ordem cronológica. Para homenageá-las, subirão ao palco oito nomes do sertanejo atual, interpretando seus sucessos. Antes da transição entre cada década/artista, será apresentado um texto com informações sobre a época e obra de cada homenageada.

Em formato acústico, as artistas serão acompanhadas por violonista, percussionista e violeiro, dando um tom intimista às apresentações.

Laura Rocha
Ao lado da irmã, Leyde, Laura Rocha é responsável por um dos mais belos e aplaudidos duetos femininos da história da música sertaneja: a dupla Leyde & Laura. Elas comemoram a expressiva marca de 25 anos de carreira. Um quarto de século dedicado à música sertaneja autêntica.

Mato-grossense radicada há muitos anos em São Paulo, ela é filha de pais cantadores e "rezadores de terço". A musicalidade parecia correr nas veias da numerosa família, que vivia na roça, do cultivo de arroz, feijão e milho. Todos os 12 irmãos cantavam, incluindo as pequenas Lucineide (Leyde) e Marinilza (Laura), com dez e treze anos de idade respectivamente, porém como eram as mais tímidas, as duas só arriscavam soltar a garganta à beira do rio ou durante os afazeres domésticos. Influenciadas artisticamente por duplas do estado de Goiás, um dos berços do gênero, ou artistas em ascensão na época, como Chitãozinho & Xororó ou Trio Parada Dura, as meninas foram aperfeiçoando o dom que Deus lhes deu.

"Rodeio do Amor" (Jesus Belmiro/Paraíso), "A Força do Amor" (Jesus Belmiro/Paraíso), "Cutuca Peão" (Moacyr dos Santos/Paraíso), "Justiça Divina" (João Miranda/Ciro Rosa/Oswaldo Galhardi), "Milagre no Caixa 7" (Lucian Deluccas), "Viola e Cantador" (Chico Amado/Anna Fernandez) e "Semente do Amor" (Luiz de Castro/Ronaldo Adriano/Muniz Teixeira) são apenas alguns dos grandes sucessos da dupla. Releituras de grandes clássicos como "A Mão do Tempo" (Tião Carreiro/Zé Fortuna), "Tardes Morenas de Mato Grosso" (Goiá/Valderi) ou "Pé de Cedro" (Zacarias Mourão/Goiá) também entraram para a história do cancioneiro sertanejo nas vozes delicadas de Leyde & Laura.

São 17 trabalhos lançados, incluindo um DVD. Parcerias musicais com nomes como Peão Carreiro, As Galvão, Mococa & Paraíso, João Carreiro & Capataz e Teodoro & Sampaio, além de importantes premiações ( "Prêmio Ary Barroso", "Troféu Tião Carreiro" e "Troféu Tonico e Tinoco", entre outros), são guardadas com muito carinho pela dupla, que considera os fãs seu maior e mais consistente patrimônio. Comemorando 25 anos de estrada, a dupla trabalha um CD comemorativo e outro com proposta diferente do primeiro: um verdadeiro e merecido tributo à moda de viola. Entre canções inéditas e releituras, o álbum traz como diferencial a participação de alguns dos maiores violeiros da atualidade: João Carreiro, Lyan, Thacio, Zé Henrique, Maykon Amaral, Thiago Paccola, Cacique, Leandro Michel, Paraíso, André Fernandes, Campo Grande, Juliana Andrade e Marcelo Viola.

Simone Sperança
Graduada pela Unesp em fonoaudiologia e mestranda em distúrbios da comunicação humana pela Unifesp, Simone Sperança é pesquisadora do gênero musical Sertanejo Raiz, cantora, instrumentista, e produtora vocal. Em 2016 Juntamente com Marcos Amorim, foi responsável pelo capítulo "Diversidades" do livro Música Caipira as 270 melhores de autoria do jornalista José Hamilton Ribeiro.

Começou sua carreira artística musical aos doze anos, cantando com sua mãe Neusa (Silmara). Em uma festa realizada em sua casa teve o primeiro contato com a viola e o violão e ouviu, pela primeira vez, o dueto sincronizado da dupla Camões e Camargo. A partir desse dia Simone não largou mais a viola e se especializou nos duetos caipiras. Com a orientação do cantor Camargo iniciou o dueto com sua mãe com quem fazia a segunda voz. Também teve orientações do violeiro Tião do Carro sobre acordes e ritmos tradicionais da viola caipira formando então a dupla Simone e Silmara. Com a dupla, Simone participou ativamente de festivais da música sertaneja, tendo sido premiada em alguns deles tanto como intérprete quanto como compositora.

Esteve também envolvida em vários projetos culturais incluindo homenagens aos compositores e intérpretes da música sertaneja de raiz: Moacyr dos Santos, José Fortuna e João Pacífico, além de ter participado gravando a canção "O Poder da Viola", de Moacyr dos Santos e Tião do Carro, no projeto "A Cozinha Caipira de Célia e Celma" que reuniu grandes nomes de compositores da música sertaneja de raiz, dentre eles Lourival dos Santos, Moacyr dos Santos, Nono e Nana, Zé Batuta, Adauto Santos, João Pacífico, Renato Teixeira e Célia e Celma. Com o termino da dupla, Simone começou a compor tendo como parceiros de composição Chico Amado, Jose Victor, Tião do Carro e Profeta. A sua primeira canção "Potranca Valente" foi gravada pela dupla Teodoro e Sampaio no ano de 1999. A partir desta gravação outras foram surgindo.

Através de sua convivência no meio artístico sertanejo, teve a oportunidade de conhecer seu grande ídolo Pardinho com o qual se identificou, passando a fazer parte de seu ciclo de amizades. Desta forma, a partir de 1997 participou ativamente das rodas de viola no ambiente doméstico de Pardinho, onde conheceu seu segundo parceiro, Pardinho Filho com quem gravou no ano de 2005 seu primeiro CD independente com onze canções dentre elas a canção "Acabou" de sua autoria. Foi parceira de Miriam Pantaneira na dupla "As Pantaneiras" de 2009 a 2014, Com a dupla gravou 2 álbuns independentes e realizou diversas apresentações por todo país.

Atualmente Simone é produtora e assessora vocal, atuando na pesquisa relacionada à voz e audição de músicos e cantores. Ela é responsável pela produção vocal das seguintes orquestras de viola caipira: Orquestra Gaúcha, Orquestra Paulistana, Matutos da Mantiqueira, Orquestra de Joanópolis, além de cantores solo e duplas.

Valor: 1kg de alimento não perecível. Comes e bebes serão vendidos à parte.
Obs.: Os alimentos serão doados à um lar assistencial.


 

Tarde Caipira no Rancho dos Matutos


Data:
19.05.18
Horário: a partir das 13h30min.

Local: Rancho dos Matutos
Endereço: Rua Dr. Zuquim, 80 - Santana - São Paulo/SP. Pertinho da Estação Santana do Metrô.
Informações: fabiolamirella@gmail.com / violeiropenna@yahoo.com.br 
Fones: 11-2950-0792 / 99193-9866 / 99823-1110


Valor: R$ 50,00 por pessoa incluso almoço e sobremesa.
Bebidas serão vendidas a parte.
Crianças menores de 8 anos não pagam.

Cardápio: Arroz Branco, Feijoada (Tradicional e Vegana), Couve e Farofa.

- Shows com Fabíola Mirella e Sérgio Penna e Violeiros Matutos
- Exposição de Artesanato
- Venda de Brigadeiros Artesanais - Big Bit

Vagas: 60 vagas
Como garantir sua vaga?
As vagas são limitadas e devem ser pagas por meio de depósito antecipado e envio do comprovante.

** ATENÇÃO **
Não é possível reservar os ingressos sem efetuar o depósito!
Não vendemos convites na porta!

Aceitamos Vários Cartões de Crédito e Débito.


 

Arraiá dos Matutos


Data:
30.06.18
Horário: a partir das 16hs.

Local: Rancho dos Matutos
Endereço: Rua Dr. Zuquim, 80 - Santana - São Paulo/SP. Pertinho da Estação Santana do Metrô.
Informações: fabiolamirella@gmail.com / violeiropenna@yahoo.com.br 
Fones: 11-2950-0792 / 99193-9866 / 99823-1110

Valor: Entrada gratuita.
Comes e bebes serão vendidos à parte.

Cardápio: Comidas típicas de festa junina.

- Grande Roda de Viola com os Violeiros do Rancho.
- Exposição de Artesanato
- Venda de Brigadeiros Artesanais - Big Bit

Aceitamos Vários Cartões de Crédito e Débito.



Obs.: As datas poderão sofrer alterações, entre em contato conosco para confirmação.




Informações: Rancho dos Matutos

Rua Doutor Zuquim, 80 - Santana
São Paulo /SP
Emails:  violeirosmatutos@gmail.com   /    violeiropenna@yahoo.com.br    /    fabiolamirella@gmail.com
Fones: (11) 2950-0792 / (11) 99193-9866 / (11) 99823-1110




Todos os direitos reservados ao Rancho dos Violeiros Matutos